expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

23 de jul de 2017

NÃO SE ABANDONE




      Pensamos no que temos, e muitas vezes ficamos tristes. Tristes  por não possuirmos o que achamos importante, por não termos chegado aos nossos objetivos, por não estarmos onde queríamos estar. Pensamos sobre o que nos mantém aqui... nossa família, nossos amigos, nossos sonhos e esperanças, metas, objetivos e desejos... de repente tudo começa a não fazer o menor sentido. Pensamos que nossos amigos não precisam da gente, nossa família sobreviveria sem a nossa presença, não temos sonhos de verdade apenas desejos, não temos algo que nos mova, algo que traga sentido a nossa vida, e então sentimos nossa existência vazia, a falta de propósito nos dá a sensação de inutilidade, e parece que não tem porque continuar.
        Sempre pensei no sentido da vida, se existe algo oculto que nos faz continuar, que faz todos nós seguirmos em frente, se no final vamos chegar á alguma conclusão, se poderemos dizer que valeu a pena, se vamos nos arrepender de não ter feito alguma coisa. É curioso que pensamos muito mais no futuro que é algo praticamente inexistente, já que nunca estaremos nele, sempre estaremos no presente o futuro na verdade não existe, nós só temos o agora. E ainda assim, mesmo sabendo disso não consigo estar aqui, ignoro tanto o meu presente que é como se eu nem estivesse viva, e fosse apenas a lembrança do passado que sinto falta. 
      A verdade é que esquecemos o significado de sí ter, nós só temos a nós mesmos, as pessoas podem nos apoiar mas não podem viver a nossa vida por nós, não podem resolver nossos problemas e não existe ninguém que irá chegar pra resolvê-los como um milagre, muitas vezes o nosso maior problema somos nós mesmos, não sabemos nos ajudar, não somos bons conosco. Depreciamos a nossa imagem, não cuidamos da nossa saúde, nos criticamos o tempo todo mentalmente nos colocando pra baixo, não temos ação conosco, somos passivos enquanto a tomar atitudes de mudança para melhorar a nossa vida, é como se autodestruir, se auto sabotar. Ás vezes nosso amor próprio é mínimo e vamos nos destruindo pouco a pouco com a nossa própria negligência. Começamos a nos alimentar mal, paramos de nos exercitar, ficamos com preguiça de fazer o almoço ás 13:00 e quando nos damos conta já são 16 da tarde, por isso você come um pão com ovo para enganar o estômago e finge que isso foi o almoço. Só lembra de tomar água quando a garganta já está seca, passa um mês sem comer nenhuma fruta e reclama de estar sempre gripado e indisposto. Levanta ás 11 da manhã para acordar mais perto de acabar o dia, já que não tem nada de bom e você só quer que o tempo passe logo, como se o mundo fosse se transformar e se tornar maravilhoso enquanto você está dormindo. Diz que quer acabar logo a faculdade mas procrastina todas as atividades ligadas a ela, fazendo os trabalhos serem muito piores do que na verdade seriam se você as tivesse feito logo. Se olha no espelho e fica triste de sua pele estar com espinhas e manchas, mas não percebe que seu corpo mostra a você os seus cuidados com ele. Quando os seus amigos te chamam para sair e conhecer pessoas novas você se exclui e diz que não pode ir. Nosso problema é que não podemos contar conosco, porque não estamos aqui para nós quando precisamos. Ao invés de nos abastecermos de energias boas e pensar positivamente, ficamos negativos, vendo apenas o lado ruim das coisas, nos convencendo de que não há nada a fazer, porque não se pode mudar a inevitabilidade da infelicidade, da tristeza e podridão do mundo. 
        Nós podemos mudar a nós mesmos, precisamos pensar nas nossas ações para conosco, cuidar da gente, nos fazer felizes, por isso não se abandone. Tenha foco e siga seus objetivos, se não tem objetivos procure se conhecer e prestar atenção no que te faz feliz. Se alimente bem, cuide de seu corpo, faça as coisas para você antes de fazer para os outros, se agrade, lembre-se sempre do que você almeja, qual é a vida que deseja alcançar? Se valorize, seja feliz sendo você mesmo. Nos esquecemos até do que queremos quando estamos submersos no mundo das obrigações e não lembramos mais o porque de termos escolhido um curso na faculdade, ou um trabalho por exemplo. Tentem se lembrar quais eram as metas para este ano? O que você tinha planejado alcançar mas já desanimou depois de tantas frustrações? Não se abandone, tome a direção da sua vida e a leve para onde você precisa chegar, precisamos de ânimo, e eu sei que é muito difícil não desanimar, mas lembre-se que se você se deixar na mão, não tem nada que irá te reerguer. Precisamos de nós mesmos antes de precisarmos dos outros.

Mariana Carolina