expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

17 de jun de 2014

ENSAIO.


   Olá, ei! É você mesmo!
   Pode me dizer por que está assim?
   Cansado? É acho que isso todos nós estamos.
   Mas por que não faz algo pra mudar?
   Por que aceita essa realidade em que vive?
   O que? Você não acha que pode fazer algo?
   Bem, digo a você
   Que tudo o que você é,
   Foi por completa responsabilidade sua
   Não concorda não é?
   Não há como negar caro amigo
   Está tudo bem na sua frente!
   Não há nenhum culpado a não ser você
   Tudo bem, aceitando a atual situação
   O que fazer agora?
   Agora que assume a vida em suas mãos?
   Há algo que você realmente queira?
   Existe algum desejo dentro de você?
   Se não se sabe, se não se tem certeza
   É simplesmente porque não há nada
   Nada que queira, nada que o motive
   Nada que o faça sentir positividade
   Sobre estar vivo.
   E estar vivo é positivo?
   Ouço vivos reclamando o tempo todo
   Mas os mortos parecem mais satisfeitos
   Tanto que nem se incomodam em opinar em nada
   Isso é paz? Afinal a paz existe?
   E existe alguma coisa que não tenhamos dúvidas?
   Por que tudo para mim é apenas uma especulação de verdade
   A vida mesmo as vezes não me parece real
   Quando você se olha no espelho reconhece a si mesmo?
   A impressão que tenho quando me vejo refletida
   É apenas a de que estou presa dentro de um corpo que não é meu
   Parece que o que sou por dentro
   Não se parece em nada com o que apresento fora
   Não é nada de falsidade ou fingimento
   É apenas uma sensação de inexistência
   Parece que não existo quando me olho
   Começo a olhar para o meu corpo e me sinto aprisionada
   Acham que eu preciso de uma avaliação psicológica?
   Lhes digo que tenho plena consciência da minha loucura
   No entanto, não pretendo tomar remédios para inibir minha insanidade
   Isso é o que sou, estou sob controle
   A maior terapia do mundo é aguentar um bando de débeis todos os dias
   E ainda ser você o louco da geração.
   Mas tudo bem, está tudo em seu lugar
   Quem espera a justiça num mundo condenado
   È pior que um louco, que sofre pelas coisas e pelos outros
   Ao menos meu sofrimento é sobre mim, é por mim e por nada mais.
   Eternamente insatisfeita serei
   Porque meus sonhos nunca cessarão
   E ainda assim continuarei com eles
   Fazem parte de mim
   Sem meus devaneios não sou nada
   Nem mesmo uma louca
   E prefiro ser louca
   Do que ser um normal, enquadrado e alinhado
   Prefiro ser louca
   A uma acomodada medíocre, que espera pouco
   Se satisfaz com pouco, e acha que o pouco é natural
   Talvez seja
   O natural real preenche as pessoas?
   Eu realmente não consigo entender
   Porque nada disso me sacia
   Nada mesmo, nem ao menos me distrai
   Querer demais é uma maldição
   Esperar grandes coisas é uma catástrofe
   A grandeza é inalcançável
   Mas somos loucos
   Queremos o inalcançável, o inatingível, o infinito
   Um sinal poderia ser suficiente
   Mas sabemos que ele não chega
   Os sinais não existem
   São ilusões criadas para dar um sentido inexistente
   Ao passar de nossos dias
   Por que continua então?
   Por que está tentando?
   Por que não desiste?
   Porque já é tarde demais para qualquer coisa meu caro.
   Porque a essa altura de minha vida, já aceitei minha existência.
   E não há nada a se fazer
   A não ser esses textos melodramáticos de efeito existencial.
 
   Mariana Carolina.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente!